O homem dividido

O homem dividido

-- Ele estava...
-- Admirado, eu sei, depois a gente escolhe outra palavra melhor para usar, por enquanto essa serve?.
-- É... serve.
-- Então acho que a ficha caiu enquanto ele falava com o colega. descobriu que não era feliz ali na mesa mesmo. no almoço. enquanto pensava o que ia fazer mais tarde. ele era assim todo certinho.

-- É... ele tinha uma vida certinha. tudo organizado. sob controle. tudo pronto. rápido.

Agora tava tudo parando para ele pensar a respeito de si mesmoe elel não estava acostumado a essas subjetividades. o que tava incomodando?. Era ele que tava pirando ou era o mundo todo que tava parando?.

Fechou os olhos. cruzou as mãos. respirou fundo. não queria mais abrir. mas queria muito, mas muito mesmo, saber onde ficava o botão de pause de tudo aquilo.
O manual, queria o manual...
Queria reclamar. se ouvissem ele queria... não, não sabia o que queria...

Em algum momento percebeu que as palavras queriam sair, seguir para fora. para a realidade...

E aí? vocês vão deixar?

-- Calma! calma!

-- Que é isso?

-- Afinal quem é que manda dentro do meu juizo? não sou eu?

(silencio)

-- Quem comecou? qual o assunto?

-- Sentimentos, é claro, pôxa, você nunca ouve?

-- Ele não era bom nisso, nunca foi...
-- Essa coisas de sempre, a paz, amor e a paixão também (claro, se for possível...), elas não estavam em sua pauta, no seu planejamento, não, realmente não tinham assim um lugar no planejamento.
-- Rapaz, olhando as coisas asism do seu jeito acho que nunca terão...
-- Nunca estão...
-- Mas meu velho, saiba que você, queira ou não, um dia vai entender que tudo isto que você não quer, vai estar vamos dizer assim, "em produção" aqui, não sabe?...
-- Não esqueça que se isso tá contecendo, é porque como sempre, de novo, outra vez, você nem percebeu que o sentimento já se instalou, mas a opção é sua, se você não quer reconhecer...

Comentários

Raquel disse…
O manual, queria o manual...

Postagens mais visitadas