Página 59

Os pontos - pinças. As linhas - trajetórias. Os planos - perpassam. Integração. Salvador, 2007.
Tonny Bittencourt's photos, Todos os direitos reservados.
http://www.flickr.com/photos/tonnybit

--

Tropecei no meio do livro.
Não sei quanto tempo, estavam lá, tranqüilos, esperando, os versos.

"Eu tenho medo do mundo inteiro,
medo da água fria, medo da morte.
Sou como todos os mortais,
incapaz de ser paciente.

E assim, nestes dias breves e fugazes,
vou tirá-los da cabeça.
Vou me abrir e me encarcerar
com o meu inimigo mais traiçoeiro."

Só fui pensar depois que voltei a página, a razão chegou atrasada, automática, sobrou pra ela tentar ajeitar o estrago.
Não adianta, a poesia é primeira, a gente veja ou não.
Ainda bem, com essa realidade, a gente seca sem a dose miníma de sentimento.

Não sabia que tava tão faminto, comi palavra por palavra, bebi tudo, aproveitei a minha sorte.
Ouvi bem quieto, agora, desde o começo a alma do poeta.

"Ficam todos atrás de mim para eu me exercitar,
entrar em forma, jogar futebol,
me apressar, até nadar e voar.
Bastante razoável.

Ficam todos atrás de mim para eu me acalmar.
Todos marcam consultas médicas para mim,
olhando-me daquele jeito inquiridor.
O que é isso?

Ficam todos atrás de mim para eu fazer uma viagem,
entrar, partir, não viajar,
morrer e, de certa forma alternativa, não morrer.
Não importa.

Ficam todos vendo coisas esquisitas
na minhas entranhas, subitamente chocados
com os radiopavorosos diagramas.
Não concordo com eles.

Ficam escarafunchando a minha poesia
com garfos e facas incansáveis,
tentando, sem dúvida, encontrar uma mosca.
tenho medo."

Aí foi fácil ler que era de Neruda e que se chamava Medo.

Muito diferente perceber o sentimento no poema dele atravessar o tempo até o meu momento e seguir junto comigo para algum lugar.

Privilégio olhar a teia do mundo e ainda conseguir aceitar não atribuir sentido a isso tudo.

E o medo, será que é isso mesmo?

Talvez a gente possa sair de nossos medos entrando neles. Observando, identificando e contando eles pra outra pessoa, dividindo.

Talvez em partes eles fiquem mais leves. Talvez.

Aê Neruda, tá vendo o que você fez?

Comentários

Postagens mais visitadas