Inacabado

Filme, não.
Documentário. Sobre Paulo Freire.
Tava guardado esperando hora.

Me espantou não a simplicidade, nem a honestidade, mas a humanidade mesmo.
A amorosidade, termo aliás, que ele usou pra definir outras pessoas que ele admirava.
A gente pode usar pra ele também.

Se engana quem pensa:
"Com ele vou aprender sobre educação".
Vai não. Isso só não.

O mestre realmente educa.
O olhar e o coração da gente.

No vídeo tem a sua última entrevista.
Bem velhinho e mais atual ainda.
Mais jovem e vivo que muita gente que eu conheço.

Fiquei pensando.
Será que deu tempo dele compartilhar tudo que apreendeu da vida com seu olhar de sonhador?

Essa pareceu ser sua maior preocupação. Compartilhar.
Descobrir mesmo, no sentido de tirar o véu..
Humanizar

Falando da nossa espécie.
Foi ele que disse que somos inacabados.
Que estamos em busca.
Que queremos ser mais.
Que as vezes desumanizamos.
Nessa busca do ser.

Ser humano bonito.
Morreu de coração. Ou do coração, como disseram.
Acho que foi em 97
Ainda conheço muito pouco.

Mas tenho essa liberdade de corrigir isso.
Eu posso.

Comentários

Postagens mais visitadas