Durma...

Sei que este mundo tá cheio de profetas e a galera tem uma queda pelo apocalipse mais vale pelo menso ler de tudo e pensar sobre. O que é que custa?
tempo?
Não. tempo não custa nada. Ele é mais uma referência. Acrescente outras...

Olha isso:

"Segunda, 29 de setembro de 2008, 16h58 Atualizada às 20h11

"Crise põe a nu comportamentos feios"

Claudio Leal

O ex-presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) Carlos Lessa considera "muito grave" a rejeição ao pacote de socorro econômico do governo americano, na Câmara dos Estados Unidos. Desde a semana passada, o economista sustenta que a crise mundial afeta o Brasil.

Por 228 x 205, os congressistas refugaram as medidas emergenciais propostas pelo presidente George W. Bush. O resultado provocou novas turbulências no mercado financeiro. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) chegou a ter suas operações interrompidas. O pacote previa uma injeção de US$ 700 bilhões para conter a crise.

Veja também:
» Congresso americano rejeita plano de ajuda a bancos
» Opine aqui sobre a crise econômica
» Luiz Gonzaga Belluzzo: "Brasil tem que tomar medidas imediatas"
» "O dólar acabou", avalia Carlos Lessa

Em entrevista a Terra Magazine, Lessa critica a "tranqüilidade" do governo brasileiro e qualifica como "um escândalo" recente comunicado da Sadia. A empresa perdeu R$ 760 milhões em aposta equivocada sobre o dólar e demitiu seu diretor-financeiro. As perdas foram atribuídas à "severidade da crise internacional e da alta volatilidade da cotação da moeda norte-americana".

- A minha surpresa, da semana passada para hoje, foi o fato de a Sadia ter especulado com derivativos e ter perdido R$ 700 milhões. E a Aracruz perdeu provavelmente mais, porque não anunciou ainda. O que eu acho espantoso é o seguinte: na verdade, os acionistas não têm defesa nenhuma. Empresas sólidas viraram jogadoras no mercado de derivativos. Isso é uma vergonha. Isso é um escândalo - assevera Carlos Lessa.

Para o economista, "a crise está colocando a nu comportamentos feios."

Leia a entrevista:

Terra Magazine - Como o senhor analisa a rejeição do pacote econômico do governo americano no Congreso?

Carlos Lessa - Certas coisas é melhor não se dizer porque é melhor perguntar pro (Henrique) Meirelles. Porque quem sempre disse que nós estávamos num horizonte de felicidade foi o dr. Meireles. E o presidente Lula sempre fez eco. Lula fez questão de dizer que está tudo muito bem, porque não queria que os empresários se desanimassem. Os empresários não são burros, os empresários se movem com dados reais. A taxa de juros subiu, o mercado internacional está um caos, nenhum empresário vai manter os projetos. Isso é o óbvio. Agora, mais isso ainda. A minha surpresa, da semana passada para hoje, foi o fato de a Sadia ter especulado com derivativos e ter perdido R$ 700 milhões. E a Aracruz perdeu provavelmente mais, porque não anunciou ainda. O que eu acho espantoso é o seguinte: na verdade, os acionistas não têm defesa nenhuma. Empresas sólidas viraram jogadoras no mercado de derivativos. Isso é uma vergonha. Isso é um escândalo. Isso já é uma coisa nacional. É realmente um escândalo. Empresas de capital aberto... E os acionistas ficaram à mercê dos jogos especulativos que eles fizeram.

Como fica a situação dos bancos?

O que estou sabendo é que os bancos pequenos brasileiros estão tendo muita dificuldade de se financiar. A verdade é que os bancos pequenos acabaram se convertendo, vamos dizer assim, no varejo de empréstimos. E os bancos grandes ficaram na retaguarda. Só que, aparentemente, os bancos estão tendo dificuldade de renovar as suas próprias linhas de crédito internacionais. E estão cortando em cima dos bancos pequenos. Se for verdade isso, a crise está entrando no sistema bancário brasileiro.

Mas o que representa isso, politicamente, nos EUA? Os dois candidatos à presidência apoiaram também o plano. Qual a gravidade?

Muito forte. Pelo que eu consegui perceber, há uma divergência dentro do Congresso porque eles acham que se passar esses poderes pro Paulson (secretário do Tesouro americano), ele passa a ter um poder de comando sobre a economia muito maior que o próprio Congresso. Eles querem estabelecer algum mecanismo de controle. Deve ter sido em cima do mecanismo de controle que deve ter dado a confusão. Por outro lado, existem duas alternativas: escorar os bancos; outra: escorar os americanos que estão endividados. Deve ter lá um movimento pra escorar os americanos que estão endividados. Acho que isso deve ser o que está refletindo politicamente no Congresso americano.

E a crise...

A crise está colocando a nu comportamentos feios. Como o comportamento da Sadia e da Aracruz. A essa altura, eu fico olhando as outras companhias, pode ser que muitas delas estejam metidas nessa brincadeira. Isso é perigosíssimo. Não sei como a Comissão de Valores Imobiliários (CVM) permite que essa coisa aconteça. É bem verdade que a CVM não examina o que a empresa faz, examina balanços. Como é que uma empresa exportadora especula no mercado de derivativos? É uma vergonha.

Terra Magazine"

Comentários

Postagens mais visitadas