Resposta ao Drummmond

Estou longe
nú debaixo da bermuda
os pés sendo mordidos pelo chão

Da janela vem um vento
que me desenha

Estou longe
meus olhos azuis por baixo da melanina
estão cheios de mar

Como é Drummond acordar sem sofrimento?

Corto a maçã
e o tempo
em pedaços bem pequenos

Lavo a faca com cuidado
limpo a pia com as mãos

Não quero formigas
no meu dia

Enquanto penso
a luz já mudou de novo
o barco já passou
e eu mesmo já terminei

(E nem vi)

Será que é essa a resposta?

Somos tantos
ao mesmo tempo

Em nós mesmos

Explodindo
em cada mundo
segundo

Escrevendo todos ao Deus das perguntas
o quando e porquê existiremos...

Neste ou em qualquer dia

Será que é assim que nos protegemos?

Comentários

Postagens mais visitadas