Sem título

O relógio de pulso parado em Ricardo Boechat
A parede que não aguenta o peso do tempo em Arnaldo Antunes
O fusca atemporal em Mujica
O problema vital, Mr Slang e o Brasil em Monteiro Lobato
As Charges em Laerte
O lixo em Salvador
Os diários golpes
A poesia enquanto corte

Corto esse dia em pedaços
Com talheres metálicos
Para não usar as mãos

Ter padrão
Tomar banho
Café
E juízo

Se convencer
Da melhor direção
Uma só opção
De cada vez

Eu contra eu e o tabuleiro de xadrez

Corto esse dia em pedaços
Com talheres metálicos
Para não usar as mãos

Procuro ser árvore

Deixo o entender para as paredes

Escolho a lucidez de não ter juízos.

Comentários

Postagens mais visitadas